Etapa 3 – COIMBRA – CRATO – VILA VICOSA

Etapa 3 – COIMBRA – CRATO – VILA VICOSA

Esta terceira etapa com partida de Coimbra foi projetada para privilegiar, num primeiro tempo o prazer da condução em belas estradas sinuosas e montanhosas, antes de se dedicar a tarde ao turismo e a descoberta do rico patrimônio da região do Alentejo. Deixando Coimbra, os concorrentes juntaram-se, a cerca de cinquenta quilómetros de distância, numa pequena montanha onde os organizadores tinham planeado o início de um teste de regularidade (ERR), tudo em descida, num percurso relativamente simples com uma média imposta de 55 km / h.

O clima não está no ponto de encontro, um espesso nevoeiro dificulta a visibilidade dos pilotos, mas o bom humor prevalece e os 5,9 kms da especial que se desenrola dentro dos possiveis. A única sombra neste quadro foi o abandono da tripulação da Mercedes Benz 300 SL # 4 da Murith & Murith devido a um novo problema de ignição.

Depois do PC organizado alguns kms após a chegada do ERR, e suas perguntas e seu coffee break, mudança de cenário: terminaram as estradas sinuosas e tortuosas para encontrar grandes espaços permitindo maiores velocidades de cruzeiro em direção ao Crato.
Almoço numa pousada incrível construída no local de um mosteiro do século 14 e abrigando uma igreja fortaleza, um palácio de estilo gótico e dependências convertidas em um hotel contemporâneo. Lindo!

Depois desta pausa para o almoço, uma nova partida e travessia desta bela região do Alentejo em direcção a Castelo de Vide, uma pequena e encantadora aldeia onde os participantes puderam caminhar a pé, no coração da cidade medieval e por todo seu caminho de ronda do seu imponente castelo do século XIII.

Os quarenta carros ainda na corrida, juntaram-se na chuva batendo nos cumes vizinhos, onde aguardava a segunda etapa especial do dia.
Esta quinta prova foi muito mais complicada, sobre tudo para aqueles que não tinham estudado o roadbook antes, porque os 500 metros após o início, era necessário ter um virado à esquerda, uma súbita mudança de direção, que surpreendeu mais de um e relanço todas as cartas da classificação geral.

De fato, os líderes da categoria Clássica, a Lancia Monte Carlo de Jean Marc e Brigitte Desta, estão agora no último lugar do ranking, perdendo todas as chances de vencer depois de 2 etapas e meia na liderança, mesma punição para o Porsche 356 AT2 de Gérard Woestelandt e José Ventura, que também viram o pódio se afastar.

Depois desta especial onde a classificação ficou totalmente perturbada, a estrada é estreita e abre em panoramas a 180º, a região é muito verde, mas sentimos através da vegetação que o sul não está muito longe.
A rota para Estremoz é fácil e todos estão felizes, depois de uma tarde de momentos fortes de encontrar a cidade de “Vila Viçosa”, uma cidade de mármore onde uma nova pousada num convento aguarda os concorrentes para um bom descanso merecido.

General ranking

Classic category
● 1 – PARADA Eugenio – COSTA Joao / Porsche 914
● 2 – CARUGATI Tiziano – MERMOD Sonia / Ferrari Dino 246GTS
● 3 – BOEDT Franck – BOEDT Anne / Alfa-Roméo Duetto
Prestige category
● 1 – METZ Antoine – LAIGNEL-METZ Corinne / Porsche Cayman
● 2 – MEZIANE Reda – CHEMAO Zineb / Porsche 993
● 3 – BORDIER Bruno – BORDIER Béatrice / Ferrari 488 GTB



On Wednesday night it was the group “Folclórico de Universidade de Coimbra” that made the whole rally of Portugal Tour dance. They came loaded with traditional cupcakes from the area.

Posted in 2017.